Saltar os Menus

Notícias

1 de Outubro de 2019

Hino da Cidade de Bragança, 1925

O documento do mês de outubro celebra o dia Mundial da Música.

A data foi instituída em 1975 pelo International Music Council, uma instituição fundada em 1949 pela UNESCO, que agrega vários organismos e individualidades do mundo da música.

Damos assim, relevo à pauta musical do Hino da Cidade de Bragança, pelo compositor João Batista da Silva, datado de 15/06/1925.

A religião católica abrange na liturgia solene a música sacra, tendo-se esta apresentado, desde sempre para a Cristandade, como um elemento estruturante e identitário do culto divino. Desde São Gregório Magno (séc. VI/VII) que se reflete sobre a forma como a música deve intervir no culto. Estas reflexões assumiram percurso histórico e, já no século XX tiveram continuidade em Cartas Encíclicas e Atas Conciliares. Apesar de não subsistirem grandes evidências dos instrumentos que integrariam as solenidades religiosas, a documentação arquivística, remete-nos para a sonoridade do órgão, da harpa, do baixão e da trombeta e de coros. Nas solenidades processionais a partir de Novecentos, o acompanhamento musical de cânticos religiosos era feito por bandas regimentais e/ou civis. Entre as partituras do Fundo de Música Escrita do Arquivo Distrital de Bragança (em tratamento arquivístico) encontra-se um reportório de música religiosa, que terá sido interpretado pelas formações musicais brigantinas, em contexto de festividades religiosas: celebrações em honra de Nossa Senhora das Graças, como responsabilidade da edilidade camarária, e encargos religiosos da Santa Casa da Misericórdia. Nestas solenidades, a participação de coros e bandas de música tem sido uma constante. A aprendizagem musical na formação dos seminaristas apresentou-se, durante um vasto período, com exigência curricular. Entre os professores de música do Seminário de S. José de Bragança identificam-se os nomes dos presbíteros Firmino Alves de Oliveira, Francisco Cândido de Sousa, Theobaldus Wiskamp, Mário Augusto Moura dos Santos Brás, Eduardo José Gomes de Almeida e Octávio Augusto Sobrinho Alves.

 

Esta notícia foi publicada em 1 de Outubro de 2019 e foi arquivada em: Documento em destaque.

Arquivo Distrital de Bragança